Objetivos

OBJETIVO GERAL

Contribuir com a melhoria da saúde e bem estar de jovens e adolescentes dos municípios paraenses, por meio de estratégias emancipadoras e ações participativas voltadas para a promoção de cuidado e qualidade de vida e garantia de direitos e exercício de cidadania, em oito municípios do Estado do Pará.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

1. Criar um espaço de articulação de conhecimentos e intercâmbio de informações entre os alunos dos diferentes cursos de graduação envolvidos, com vistas a conceber o saber em sua integralidade sobre a saúde e bem-estar do adolescente.

2. Permitir um espaço de vivência aos acadêmicos, no sentido de contribuir com a formação de futuros profissionais, habilitando-os para atitudes pautadas na ética, em resultado da convivência, propiciada com os colegas de diferentes cursos, envolvidos no programa, com as diversidades sociais e da troca de experiências no processo de humanização e socialização de seus saberes, contribuindo para a melhoria da qualidade e expectativa de vida, particularmente, dos jovens e adolescentes.

3. Identificar iniciativas e políticas de atenção, cuidado e proteção ao adolescente nos municípios, bem como os principais fatores e agravos relacionado a violências, drogas e sexualidade, por meio de levantamento de dados epidemiológico, enquanto suporte para o planejamento das ações e atividades do programa e proposição políticas públicas.

4. Contribuir com a capacitação dos profissionais da área de saúde, educação, assistência social, com a melhoria dos serviços de atendimento, cuidados e proteção aos adolescentes nos municípios.

5. Capacitar professores da rede pública municipal e estadual de ensino, profissionais de saúde e assistência social em saúde sexual e reprodutiva, DST/HIV/AIDS e a gravidez não planejada, com o objetivo de promover comportamentos seguros e redução de vulnerabilidades de adolescentes e jovens.

6. Permitir um espaço de reflexão sobre comportamentos de risco e o aumento dos fatores de proteção em relação à sexualidade, drogas e violência, de uma forma estruturada e sustentada, tendo como atores os próprios jovens, na aquisição de competências e mudanças de atitudes e comportamentos adequados face à sexualidade.

7. Esclarecer e problematizar questões, que favoreçam a reflexão e a propagação das informações envolvendo conhecimentos de diferentes áreas e as dimensões afetivas, éticas, socioculturais e de saúde, desmitificando tabus e preconceitos, na garantia de direitos a diversidade e ao exercício da sexualidade com responsabilidade.

8. Incentivar os jovens e adolescentes para utilização e multiplicação dos conhecimentos adquiridos, enquanto agentes promotores de sua saúde e bem estar.

9. Incentivar a criação de espaço de compreensão, informações e estímulo de corresponsabilidade e envolvimento e a mobilização dos adolescentes na promoção de ações efetivas e eficazes de enfrentamento da problemática pertinentes ao grupo.

10. Capacitar agentes cuidadores e pais sobre as drogas e permitir espaços de reflexão e tomada de decisão e enfrentamento, na prevenção e redução de danos, causados pelas drogas entre jovens e adolescentes nos municípios.

11. Permitir espaços de capacitação, reflexão e tomada de decisão no que tange ao enfrentamento à violência nas escolas, violência doméstica, violência no trânsito e abuso e exploração sexual, envolvendo os jovens e adolescentes e no estímulo a cultura de paz.

12. Estimular o respeito aos direitos de crianças e adolescentes em situação de risco no municípios paraenses, cumprindo, assim, as determinações do Estatuto da Criança e do Adolescente.

13. Promover atividades de conscientização dos envolvidos com o cuidado e proteção dos jovens e adolescentes e comunidade para reconhecer e respeitar os direitos individuais e coletivos de cada cidadão, em especial dos adolescentes e jovens.

14. Estimular a interação e articulação, formação de redes de cuidado, atenção e proteção dos jovens e adolescentes, entre entidades de proteção e defesa dos direitos, professores da rede pública municipal e estadual, escola, conselhos municipais, ONGs, CRAS, PET, PROJOVEM, associações de bairros, igrejas, clubes de futebol, sindicatos, grêmios estudantis, associações de pais e de moradores, grupos de ajuda mútua, no enfrentamento das violências, gravidez indesejada e drogas, etc.

15. Promover o fortalecimento das competências das famílias e sociedade na atenção ao jovens e adolescentes.

16. Promover, juntamente com escolas, atividades complementares, com vistas a contribui com a inclusão, permanência e sucesso escolar e prevenção das mazelas que atingem os jovens.

17. Estimular o exercício da cidadania, dos jovens e adolescentes, fomentando a organização e conscientização ao direito à saúde, educação, trabalho, lazer, entre outros, a fim de reduzir os fatores de risco a que estão expostos (violências, drogadição, iniciação sexual precoce, DST/AIDS, etc) e melhorar o ambiente em que estes vivem.

18. Estimular repercussão na formulação de ações e projetos locais, assim como na prática direta junto a adolescentes e jovens, no cotidiano de atuação dos profissionais envolvidos.

19. Realizar levantamento epidemiológico, processamento e análise de bancos de dados referente a saúde e bem­estar do adolescente, obter informações para elaborações de pesquisas que possam orientar as futuras ações de extensão do grupo e o planejamento políticas públicas voltadas aos adolescentes, voltadas para a questão das drogas e violência com a política das outras áreas sociais (educação, saúde, saneamento, serviço social, etc.).

20. Elaborar e divulgar relatórios de prestação de contas das ações e atividades realizadas e avaliação de impacto, direcionados aos gestores.22. Incentivar e promover a produção científica e aplicação de conhecimento, entre docente e discentes envolvidos.

APOIO:

 

  Brasao UFPAOFICIAL LOGO PET PNG